sábado, 20 de junho de 2009

CELESTINO FILHO
(Patrono da Cadeira II da APL)

Político, deputado estadual e federal e Jornalista, pautou pela honradez e probidade, destacando-se como um dos mais respeitados e corajosos tribunos de seu tempo. Sua coragem em defesa das liberdades e garantias individuais, decepadas pela Revolução de 1964, lhe valeu a perda de mandato eletivo e a suspensão de seus direitos políticos em 1969. Se não bastasse essa agressão à vida desse ilustre goiano, Celestino Filho carrega no coração a dor de pai extremado que teve seu filho — líder estudantil que palmilhava o sacrossanto caminho da liberdade — arrastado às trevas da longa noite que se abateu na vida brasileira, iniciada em 1964. E nunca mais seu filho Paulo apareceria para a alegria do velho pai que carrega nos olhos a alucinada esperança de encontrá-lo um dia.
Durante vários anos Celestino Filho amargou o exílio do silêncio, sem perder jamais a postura de homem que sempre acreditou na liberdade e na justiça, sabendo que a força não é privilégio e manuseio de grupos, mas, sim, do povo, a quem compete provocar as mudanças sociais.
Aposentado na vida pública, no gozo de seu ócio com dignidade, Celestino Filho não pára. No enriquecimento de seu vasto currículo literário. Seu mais recente trabalho, o livro de poemas, Da Janela do Trem, dá ênfase ao seu estado de espírito inquieto e observador e vem carregado de lirismo. Nele o poeta põe-se a observar o mundo que o rodeia. O tempo passando e os acontecimentos ontem, hoje, amanhã, sempre os mesmos, e os olhos do poeta espraiados nos quintais telúricos das terras goianas.
Para quem caminhou tanto e viu muito, o novo livro de Celestino Filho chega como coroamento de uma vida vivida e sentida na universalidade maior do sentimento. Celestino Filho encontra-se recolhido no lar, ao lado de sua sempre inseparável esposa Zuleica, curtindo a alegria dos filhos e netos. É um homem sensível, preso nas engrenagens do mundo. Um poeta galopando sentimentos pela janela do trem desembestado pelos trilhos da memória.

Nenhum comentário: